segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

Rebeldes de Casamança 'emboscam' comitiva governamental guineense

Uma comitiva governamental liderada pelo ministro guineense da Administração Interna, Botché Candé, de visita à zona norte do país durante este fim-de semana, 22 e 23 de Novembro, concretamente nas imediações de Farim, foi emboscada e interceptada por um dos grupos rebeldes de uma das facções do MFDC, que opera naquela zona.

O incidente confirma relatos de há muitos anos, em como o território da Guiné-Bissau, pela sua fragilidade em termos de segurança, tem sido usado pelas diferentes facções do Movimento da Frente Democrática de Casamance (MFDC) como base das suas operações militares contra a República do Senegal.

O grupo armado opera dentro do território da Guiné-Bissau, justamente na secção de Djumbébe, entre as tabancas de Sintchã Aladje e Sintchã Béle, duas povoações próximas da fronteira norte com a vizinha República do Senegal, mas situadas dentro do espaço territorial guineense.

A comitiva do ministro da Administração Interna, composta por oficiais paramilitares e da Guarda Nacional, seu corpo de segurança, foi surpreendida por homens armados que se identificaram como rebeldes de Casamance, mas com base em operações na Guiné-Bissau, enquanto o governante visitava a zona.

O local é considerado de difícil acesso e com patrulhamento por parte das tropas guineenses, considerando a sua complexa localização geográfica.

Dominada por comércio inter-fronteiriço, Farim, que actualmente detêm uma mina de fosfato em fase adiantada de exploração, tem constituído ao longo de várias décadas baluarte das forças do MFDC, tanto que em 2002 a área tinha sido alvo de muitas investidas militares das Forças Armadas da Guiné-Bissau contra tais bases rebeldes.

Sabe-se que, recentemente, depois de informações da inteligência guineense em como a zona estava a ser ocupada pelos rebeldes, uma equipa disfarçada da contra-inteligência militar, das Forças Armadas, tinha sido despachada para a zona. Mas, de regresso, como resultado da missão, comunicaram ao actual Chefe de Estado-Maior, Biaguê Natam, que nada foi encontrado. E agora, com estes novos dados registados logo após esta missão militar, resta esperar pelos novos desenvolvimentos.

Contudo, últimas informações indicam que o Chefe rebelde que opera a partir de Farim, cujas forças emboscaram este Domingo a comitiva governamental guineense, avistou-se esta manhã com o ministro da Administração Interna, na cidade de Farim, a quem apresentou desculpas pelo incidente. E a resposta de Botche Candé é para que abandonem a área imediatamente.

Uma imposição política, segundo fontes governamentais, poderá não acontecer tão rápido, já que irá implicar desdobramentos operacionais perigosos por parte das forças rebeldes de Casamance. PNN

Fogo, lava e cinza



Erupção do vulcão da Ilha do Fogo, 23.11.2014
Foto: DR

PESCAS: UE e Guiné-Bissau assinam acordo. AAS

domingo, 23 de Novembro de 2014

ERUPÇÃO DO VULCÃO DA ILHA DO FOGO


Acompanhe a emissão online da Televisão de Cabo Verde

ERUPÇÃO DO VULCÃO DA ILHA DO FOGO: 'Evolução tem sido muito rápida, mas apelamos à calma' - Marisa Morais, ministra da Administração Interna


A intensidade da erupção do vulcão da ilha cabo-verdiana do Fogo, cujos primeiros sinais foram sentidos às 20:00 de sábado, subiu do nível 1 para 3, numa escala de 5, disse a ministra da Administração Interna. Marisa Morais, em declarações à Rádio Nacional de Cabo Verde (RCV), confirmou que a evolução da intensidade "tem sido muito rápida", mas apelou à "calma", assegurando que já está em curso o plano de emergência com todas as instituições ligadas ao Serviço Nacional de Proteção Civil (SNPC).

A governante cabo-verdiana confirmou também as previsões avançadas à RCV pelo vulcanólogo cabo-verdiano Bruno Faria, admitindo que a erupção é superior à registada pela última vez, em 1995, e aproxima-se da de 1951, uma das maiores registadas na ilha. Em curso está também o processo de evacuação dos cerca de mil habitantes de Chã das Caldeiras, que se situa no sopé das principais crateras do vulcão, acrescentou Marisa Morais, admitindo que há pessoas daquela localidade que começaram por se recusar a abandonar as suas casas e pertences, mas que, aos poucos, estão a seguir as ordens da polícia para o fazer.

A governante cabo-verdiana admitiu também a "imprevisibilidade" da força do vulcão, garantindo, porém, que, cerca das 13:00 locais (14:00 em Lisboa), uma equipa de técnicos e especialistas seguirá de avião para o aeroporto de São Filipe, que foi entretanto encerrado e viu cancelado o voo matinal dos TACV.

Uma hora mais tarde, um barco, com mais equipas de reforço, seguirá também para São Filipe, a "capital" do Fogo situada na parte oeste da ilha e que, aparentemente, não está a ser afetada. A governante disse estar reunida de emergência com a direção do SNPC, encontro que à tarde será alargado a todas as instituições ligadas a calamidades naturais.

Para já, nenhuma das autoridades cabo-verdianas falou de vítimas ou danos materiais e, mesmo no terreno, a RCV, que ativou um conjunto de jornalistas em vários pontos da ilha, também não avançou com qualquer informação a esse respeito.

Vulcão da Ilha do Fogo entrou em erupção esta manhã. Governo de Cabo Verde destaca militares para a zona, que está a ser evacuada, informou o jornal A Semana. AAS

sábado, 22 de Novembro de 2014

Guiné-Bissau quer CPLP, UA e UE na força de estabilização


As autoridades da Guiné-Bissau querem que a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), a União Africana (UA) e a União Europeia (UE) integrem a força de estabilização estacionada no país, anunciou esta quinta-feira o governo.

O pedido foi feito por uma comitiva guineense liderada pelo primeiro-ministro Domingos Simões Pereira, que se reuniu com representantes das Nações Unidas e outros parceiros internacionais entre 16 e 20 de novembro, em Nova Iorque. Lusa

Guineenses entre detidos que tentavam entrar em Angola


A Polícia de Guarda Fronteiras deteve ontem, 15 pessoas provenientes de vários países africanos, nomeadamente da Guiné-Bissau, que tentavam entrar ilegalmente por via marítima, a sul de Luanda.

A informação foi divulgada pelo porta-voz do Comando Geral da Polícia Nacional de Angola, comissário, acrescentando que a intervenção resultou de uma denúncia anónima. Lusa

UE/GB: Laboratório de análise de drogas entregue


Um laboratório de análise de drogas e seis postos de polícia pré-fabricados fazem parte do conjunto de materiais e equipamentos que a União Europeia (UE) entregou ontem, sexta-feira, às autoridades da Guiné-Bissau, anunciou a delegação local em comunicado. Aqueles materiais foram entregues à Polícia Judiciária guineense, que recebeu ainda 44 coletes à prova de bala e uma viatura. Lusa

sexta-feira, 21 de Novembro de 2014

ÚLTIMA HORA: Ex-PM José Sócrates foi detido. AAS

ACIDENTE FATAL mata criança


Foi uma tragédia, aquilo que hoje aconteceu, implicando uma viatura da ONU e que resultou na morte de uma criança por atropelamento. Segundo apurou o DC junto de uma fonte das Nações Unidas, a viatura, um Nissan Patrol, "seguia dentro do limite permitido por lei, ou seja 80km por hora." O acidente deu-se hoje de manhã em Bantandjan, antes de Bafatá e Banbadinca, no Leste da Guiné-Bissau.

"Os miúdos estavam a brincar à apanhada, quando se deu o embate que acabou por ceifar a vida a um deles", disse a fonte. O condutor do jeep, bem como todos os ocupantes da viatura, fazem parte do chamado 'staff nacional' da ONU. AAS

Acidente com viatura da ONU na Guiné-Bissau, fez um morto. AAS

PETRÓLEO: Polarcus faz novo levantamento


O "interesse da indústria" ligada à prospeção de petróleo vai levar a empresa de serviços geofísicos marinhos Polarcus a fazer um "novo levantamento" do fundo do mar ao largo da Guiné-Bissau, anunciou a firma em comunicado.

"Em resposta ao crescente interesse da indústria, a Polarcus garantiu verbas para realizar um novo levantamento 3D (a três dimensões) ao largo da Guiné-Bissau, para diferentes clientes", declarou a empresa, que tem sede no Dubai. Lusa

UE apoia luta contra crime transnacional


A União Europeia (UE) vai financiar com 620 mil euros um projeto de luta contra o crime transnacional na Guiné-Bissau, em particular "contra o tráfico de droga e de pessoas", anunciou a delegação da organização.

O projeto Eutranscrim "terá início no primeiro semestre de 2015, após a aprovação pelo Ministério da Justiça da Guiné-Bissau, com duração de 18 meses e será implementado pelo Escritório das Nações Unidas contra a Droga e o Crime (UNODC, siga inglesa)", refere a UE em comunicado. Lusa

Guiné-Bissau na ONU


Uma importante missão do governo da Guiné-Bissau esteve durante 4 dias em Nova Iorque a convite das Nações Unidas. Conduzida e chefiada pelo próprio Chefe do Governo, Primeiro ministro Domingos Simões Pereira, integrou os titulares dos Negócios Estrangeiros, Cooperação Internacional e Comunidades, Mário Lopes da Rosa, da Defesa, Cadi Seidi e o Deputado do PRS N’Bunha Ncada.

Foram quatro dias intensos em que a guineense se desdobrou em apresentações, reuniões e contactos.

Primeiro a nível do “Grupo Internacional de Contacto”, co-presidido pelos Ministros dos Negócios Estrangeiros do Ghana e de Timor Leste, respectivamente Presidentes do Conselho de Ministros da CEDEAO e da CPLP, a que assistiram ainda o Representante Especial do Secretario Geral das Nações Unidas para a Guiné-Bissau, Presidente Miguel Trovoada, o Presidente da Comissão da Consolidação da Paz - configuração Guiné-Bissau, Embaixador Miguel Trovoada e mais de 50 países e organizações que se assumem como parceiras internacionais da Guiné Bissau.

Depois no Conselho de Segurança, presidido pelo Representante Permanente da Austrália a que assistiram todos os membros permanentes e não permanentes.

Finalmente na Comissão da Consolidação da paz - configuração Guiné-Bissau com outra presença missiva dos parceiros.

Em todas estas ocasiões, o Primeiro ministro Guineense fez uma apresentação da actual situação política do país e traçou a visão estratégica para o futuro imediato e a médio prazo.

Dos vários assuntos então abordados e que tiveram pronta reação de apoio dos parceiros, destacam-se:

• necessidade de apoio na organização da mesa redonda de doadores, anunciada para Fevereiro de 2015 em Bruxelas;
• o acordo das autoridades guineenses para a prorrogação do mandato da UNIOGBIS, apesar dos avanços já registados em matéria da estabilidade e da restauração do Estado de Direito Democrático;
• o pedido das autoridades guineenses para a manutenção da força de estabilização da CEDEAO, a ECOMIB, devendo a sua missão de segurança às instituições e individualidades, ser complementada com outras como a formação e estruturação das forças da defesa e segurança, a criação e efectivação do fundo de pensões e a reinserção dos oficiais entretanto desmobilizados. Para este efeito, os demais parceiros multi-laterais devem ser integrados, a CPLP, a UA, a UE, sob a coordenação das Nações Unidas;
• a necessidade do reforço de capacidade do sistema de saúde da Guiné-Bissau para estar em condições de manter a prevenção contra o Ebola e se alinhar com a resolução recente da Cimeira dos Chefes de Estado da CEDEAO sobre essa matéria;
• o alerta sobre os riscos da escassez de alimentos e mesmo de situações de fome devido ao mau ano agrícola causado pelas alterações climáticas que já estão produzindo efeitos directos no território da Guiné-Bissau, tais como, o aumento do nível médio das águas do mar e a escassez das chuvas;
• necessidade de reforço da capacidade institucional dos órgãos de soberania nacional e a facilitação do diálogo interno, por forma a produzir consensos sobre as grandes linhas de reforma a implementar;
À margem de todos estes encontros, o Primeiro ministro, em companhia do Presidente da Assembleia Nacional Popular, Cipriano Cassama e dos lideres das bancadas parlamentares do PAIGC e do PRS, respectivamente Califa Seidi e Certório Biote, foi recebido pelo Secretário-geral das Nações Unidas, Ban-Ki-Moon num gesto de perfeita demonstração de confiança nas actuais autoridades do país. Fonte presente a este encontro confirma que o Secretario Geral teve palavras de elogios pelos passos já dados e muitos encorajamentos para além de renovar o compromisso de manter-se atento ao desenvolvimento da situação política e económica no país. Contudo, não deixou de recomendar contenção e permanente ponderação por parte das entidades governativas do país, porquanto qualquer derrapagem neste momento poderá significar um grande revés nos propósitos que todos ambicionam com o futuro da Guiné-Bissau.

Ainda na companhia de Cipriano Cassama, Domingos Simões Pereira recebeu elementos da Comunidade Guineense residente em Nova Iorque. Foi um encontro breve que serviu para os conterrâneos guineenses matarem saudades e expressarem orgulho e esperança para com as autoridades e no futuro do país.

A Delegação do Primeiro-ministro deixou Nova Iorque na manhã do dia 20 de Novembro rumando para Cuba para uma visita oficial de 3 dias, com o sentimento de ter marcado importantes pontos e transmitido à comunidade internacional parceira da Guiné-Bissau a certeza de que este país será um grande caso de sucesso nos próximos tempos.

quinta-feira, 20 de Novembro de 2014

LIVRO: 'Ntin' chega aos leitores



Lançamento do livro, dia 21 de novembro 2014 pelas 18 horas, no Centro Cultural Brasil Guiné-Bissau.

Um hino


AQUI

CE-CPLP/Reunião da Praia aponta caminhos e objectivos



O Presidente da CE-CPLP, Salimo Abdula, reeleito por unanimidade pelos membros da organização presentes na Assembleia-Geral de Cabo Verde, aqui na companhia da ministra cabo-verdiana do Turismo, comprometeu-se a criar "um secretariado exequível capaz de dar conta de recado de forma a ter uma confederação mais sustentável"

Salimo Abdula, Presidente da Confederação Empresarial da CPLP (CE-CPLP), salienta que a dinamização do ambiente de negócios na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa e a criação de um Banco de Desenvolvimento, constam das prioridades do novo mandato que terá à frente da instituição.

O dirigente moçambicano afirma que neste momento já estão criadas as condições para o desenvolvimento dos projectos da organização, através de uma equipa que terá um mandato de quatros anos, em declarações à imprensa, no final da eleição dos novos órgãos sociais da CE-CPLP.

Segundo Salimo Abdula, uma das prioridades durante o mandato é a aposta num Banco de Desenvolvimento que terá como missão alavancar iniciativas dos empresários lusófonos.A criação de uma plataforma de comunicação de forma a sensibilizar os empresários da lusofonia, a melhoria de oportunidades de negócios dentro da comunidade explorando da melhor forma os recursos humanos e naturais, são outras prioridades.


O presidente da CCIAS, Braima Camará, foi eleito vice-presidente e representante da Guiné-Bissau na CE-CPLP

A nova equipa da CE-CPLP promete trabalhar para que os países da comunidade sejam “estáveis económica e socialmente, e para que as pessoas possam ter trabalho digno, investir e atrair os investimentos de outros quadrantes do mundo” e Salimo Abdula defende a necessidade de a Confederação «juntar as mãos», trabalhar com os Governos da CPLP para transformar este sonho em realidade: “Com os recursos minerais que temos ao nível dos nossos países, queremos gerar muitos negócios, criar muitos postos de trabalho e fazer circular as pessoas dentro do nosso mercado”, sublinha.

Estratégia 2015-2020

A Confederação Empresarial da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CE-CPLP) esteve reunida na Cidade da Praia, em Assembleia-Geral para aprovar a estratégia para os próximos cinco anos, visando mais negócios no espaço da lusofonia.

A estratégia a médio prazo (2015-2020) da CE-CPLP visa promover e acompanhar a transformação do sector privado na CPLP, com base em três pilares: melhorar o ambiente de negócios e o clima de investimento, alargar o acesso às infra-estruturas sociais e económicas e promover o desenvolvimento das empresas. A CE-CPLP deve avançar com uma rota de investimentos dentro da comunidade lusófona, estimulando a cooperação e parceria entre instituições.

quarta-feira, 19 de Novembro de 2014

ÉBOLA/FALSO ALARME x 16


A Guiné-Bissau registou até hoje 16 casos suspeitos de Ébola, mas nenhum deles confirmado, anunciou hoje uma missão da Organização Mundial de Saúde (OMS) que visitou o país durante uma semana. Das 16 situações comunicadas e investigadas, foi pedida a intervenção adicional da equipa dos Médicos Sem Fronteiras (MSF) em oito delas, mas sem que o vírus tenha sido encontrado.

Os números foram apresentados hoje nas instalações do Ministério da Saúde, em Bissau, durante uma apresentação em que participaram os nove membros da comitiva da OMS para fazer o balanço da visita destinada a avaliar a prevenção do Ébola no país. Lusa

NOTÍCIA DC: Primeiro-Ministro Domingos Simões Pereira chega à cidade da Praia na primeira semana de dezembro. AAS

CASO DONO DO COFRE E A GUARDIÃ: Espero - e desejo! - que o ministro da Justiça de Timor Leste traga um intérprete de timolês/português, para que possa explicar direitinho, aqui, na Praia a razão por que foram expulsos dois magistrados cabo-verdianos do seu país...AAS


GB/ONU: País em "fase crítica", diz Trovoada


O representante Especial do secretário-geral da ONU para a Guiné-Bissau, Miguel Trovoada, defendeu hoje nas Nações Unidas que o país "finalizou o seu regresso à ordem constitucional." Numa reunião do Conselho de Segurança, o responsável defendeu que o país está "numa fase crítica, em que não se pode conformar com o 'status quo', sob pena de perder todos os ganhos conquistados para a democracia."

Miguel Trovoada disse que a Missão de Avaliação Estratégica das Nações Unidas, pedida pelo secretário-geral, terminou a 14 de novembro e que o relatório deverá ser divulgado em janeiro, antes da mesa redonda com parceiros internacionais que o país realizará no início do ano e cujos resultados provisórios considerou "animadores". Lusa

Sangue bom


Quando os responsáveis portugueses por um projeto de saúde pediram aos habitantes da Guiné-Bissau para dar sangue, ninguém esperava que tantas pessoas se inscrevessem, referiu à Lusa um dos responsáveis pela campanha em curso até final do mês.

"Os guineenses surpreenderam-nos muito", disse Mário Machado, coordenador do Programa Integrado para a Redução da Mortalidade Materno-Infantil (PIMI) - iniciativa do Instituto Marquês de Valle Flôr (IMVF), governo guineense, União Europeia e Cooperação Portuguesa. Lusa

Desenvolvimento humano: Ferramenta informática melhora gestão de dados


Guiné-Bissau passa a partir de terça-feira a dispor de uma ferramenta informática para melhorar a gestão dos dados relacionados com o desenvolvimento humano do país, anunciou o Fundo das Nações Unidas para Infância (UNICEF).

Intitulada Guiné-BissauINFO, a plataforma de gestão de dados para monitorizar o desenvolvimento humano na Guiné-Bissau foi hoje lançada pelo Ministério da Economia e Finanças com o apoio do UNICEF. Lusa

terça-feira, 18 de Novembro de 2014

PENTE FINO: Guiné-Bisssau alvo de reuniões internacionais em Nova Iorque


Em Nova Iorque a situação na Guiné-Bissau é passada a pente fino numa reunião do Conselho de Segurança da ONU e do Grupo de contacto internacional para aquele país da África ocidental. A preparação da mesa redonda a ter lugar em Fevereiro de 2015 em Bruxelas é uma das tónicas dominantes.

O Grupo de contacto internacional para a Guiné-Bissau é co-presidido pela CPLP, Comunidade dos países de língua portuguesa, e pela CEDEAO, Comunidade económica dos Estados da África ocidental, respectivamente representadas por Timor Leste e pelo Gana.

Este órgão foi criado em 2006, à margem da 61a Assembleia Geral da ONU, trata-se de uma plataforma visando coordenar e harmonizar a intervenção dos parceiros da Guiné-Bissau, por forma a garantir-se a estabilidade política e o desenvolvimento económico do país.

Trata-se já da décima reunião desta estrutura à qual assiste também o antigo presidente são-tomense Miguel Trovoada, representante do secretário-geral da Organização das Nações Unidas em Bissau. E isto numa altura em que o país lusófono já conta plenamente com instituições democráticas, nomeadamente um novo chefe de Estado, José Mário Vaz, empossaado em Junho, e um novo executivo, investido em Julho último, sob a batuta de Domingos Simões Pereira.

Mais de dois anos volvidos após o último de uma longa série de golpes de Estado, em Abril de 2012, a Guiné-Bissau normalizava, desta feita, as suas instituições como pediam os seus parceiros internacionais, caso da CPLP. O diplomata moçambicano Isaac Murade Murargy, secretário-executivo da organização lusófona, é um dos presentes em Nova Iorque. Em entrevista a Liliana Henriques ele alega que o ambiente institucional é propício para a resolução dos problemas guineenses. RFI

Lua de mel em Nova Iorque: Primeiro-Ministro Domingos Simões Pereira e o presidente da ANP, Cipriano Cassama, estão em lua de mel na Big Apple...AAS

Confederação Empresarial da CPLP pode passar a Banco de Desenvolvimento


A Confederação Empresarial da CPLP quer transformar-se num Banco de Desenvolvimento da comunidade para unir os bancos e alavancar iniciativas dos empresários lusófonos, afirmou o presidente da atual instituição.

"Isto significa que, com os recursos minerais que temos nos nossos países, possamos gerar muitos negócios, muitas empresas, muitos postos de trabalho e também fazer circular as pessoas dentro do nosso mercado", traçou Salimo Abdula, presidente da Confederação Empresarial da CPLP, após ser eleito, por unanimidade, na assembleia geral da confederação lusófona, que aconteceu na Cidade da Praia.

segunda-feira, 17 de Novembro de 2014

<<<< SONDAGEM na mundo :) :) ba nhu vota dê. AAS

Decreto Presidencial nomeia o brigadeiro-general Antero João Correia Director-Geral da Segurança do Estado. AAS

50 Anos das Forças Armadas da Guiné-Bissau: "Instabilidade" em dia de festa


Na Guiné-Bissau, as Forças Armadas Revolucionárias do Povo (FARP) celebraram ontem 50 anos de existência debaixo de contestação da população pelas "atrocidades e instabilidade" de que são mentores, reconheceu o chefe da instituição, general Biaguê Nan Tan.

Na hora de fazer o balanço da existência dos cinquenta anos das Forças Armadas, o chefe da instituição, o general Biaguê Nan Tan, disse que apesar de um passado glorioso, hoje os militares guineenses são vistos como "criadores de instabilidade e gente que até mete medo à população". Segundo o chefe de Estado Maior as Forças Armadas da Guiné Bissau transformaram-se numa instituição que em vez de proteger o povo "espancam e amedrontam a população" e em vez de se submeterem ao poder político criam instabilidade ao governo.

O general Biaguê Nan Tan recordou ainda que no passado o militares eram um exemplo para os países africanos de língua portuguesa, tendo mesmo ajudado muitos a conquistar a independência e a manter a paz, mas hoje são os militares desses países que aconselham a Guiné-Bissau sobre como encontrar a estabilidade.

Para o chefe das Forças Armadas tudo isso tem de ser mudado e "defendo por isso a formação para os mais jovens que terão de substituir os veteranos no âmbito da reforma das Forças Armadas." Brevemente será aberta uma escola de estudos militares em São Vicente e a partir da qual serão feitas as promoções e graduações de soldados e oficiais.

O chefe do Estado Maior General das Forças Armadas aproveitou as comemorações do quinquagésimo aniversário da criação da instituição militar para reafirmar o seu compromisso de subordinação total ao poder político democraticamente eleito. As Forças Armadas foram criadas pelo PAIGC a 16 de Novembro de 1964 na localidade de Cassaca, no sul da Guiné-Bissau. RFI