sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

NOTÍCIA DC: Passaporte 'confuso' deixa guineense 'preso' na Austrália


Um cidadão guineense, está há cerca de quatro meses proibido de abandonar a Austrália porque as autoridades desse País não entendem a razão de o símbolo da República da Guiné-Bissau não estar na capa do passaporte, isto depois de compararem o nosso documento com os de outros países da CEDEAO, detentores do novo passaporte.

O cidadão em causa tinha como destino a Nova Zelândia, pois ganhou uma bolsa de estudo internacional para fazer o mestrado. Agora, e como a Guiné-Bissau não tem uma embaixada e menos ainda uma representação diplomática alargada a esse país, temos um compatriota numa situação dificil. E descalçar essa bota? AAS

SONANGOL não conhece as bandeiras?


Ora vejam:

EXCLUSIVO DC/PAIGC: Reunião da Comissão Permanente quase acaba em pancadaria...


A última reunião da Comissão Permanente do PAIGC, deu água pela barba ao primeiro-ministro Domingos Simões Pereira, e quase que ia acabando em pancadaria, envolvendo o Presidente da Assembleia Nacional Popular, Cipriano Cassama.

Cassama, contou ao DC quem esteve presente, acusou directamente DSP de nomear 'amigos' para governadores regionais, sem auscultar o partido. Quem evitou que chegassem a vias de facto, foi Baciro Dja, um dos vice-presidentes do partido e vice-primeiro-ministro do actual governo. Cipriano deu murros na mesa, se deu...AAS

EXCLUSIVO DC: Rui Barros (novamente) na Procuradoria


O ex-primeiro-ministro de transição, Rui Barros, foi novamente, e pela terceira vez chamado à Procuradoria Geral da República, para dar conta do 'desaparecimento' de cerca de 11 mil milhões de Fcfa (cerca de 20 milhões de dólares) que foram parar a mãos estranhas, tudo em despesas NÃO TITULADAS.

O ministério Público quer ainda, apurou o DC junto de fonte credível, confiscar o passaporte do ex-PM, o que pode pôr em risco a sua ida para Timor, onde ia gerir um fundo para os países pobres(!?), entre os quais a Guiné-Bissau. Por este andar, Timor pode muito bem começar a procurar outro 'gestor'... AAS

ÉBOLA: OMS descarta hipótese de vírus chegar à Guiné-Bissau


A Organização Mundial da Saúde (OMS) descartou hoje a possibilidade da disseminação do vírus do ebola nos demais países da África Ocidental que não passam pelo surto da doença. De acordo com um dos dirigentes da OMS, é improvável a transmissão do vírus em países como Guiné-Bissau e Costa do Marfim. O combate ao ebola continua, mas a organização enfrenta dificuldade para encontrar agentes de saúde.

Grave


O secretário de Estado do Ensino Superior e Investigação Científica confessou ter dificuldades em compreender o verdadeiro sentido patriótico de alguns dirigentes das instituições do ensino superior em regime particular na Guiné-Bissau, que «produzem o mercantilismo, o dinheiro no sistema educativo nacional, em claro prejuízo das excelências académicas que se expressam na Guiné-Bissau».

Fernando Dias apelou aos dirigentes daquelas instituições no sentido de inverterem a ordem das suas visões e prioridades, reestruturando escolas e dando maior primazia às excelências académicas que se pretende no país. PNN

quinta-feira, 23 de Outubro de 2014

Notícia DC confirmada: Primeiro-Ministro Domingos Simões Pereira disse que fará uma remodelação do Governo...dentro de 100 dias, tal como anunciou o blog guineense de referência mundial! AAS

TRÁFICO DE DROGA junta Governo, Parlamento e UNODC


O Parlamento, o Governo da Guiné-Bissau e o Escritório das Nações Unidas contra a Droga e o Crime (UNODC, sigla em inglês) vão manter uma reunião de alto nível entre 24 e 27 de Outubro, em Bissau, para debater a luta contra o tráfico de droga e o crime organizado.

A pedido das autoridades nacionais, o UNODC enviou uma equipa liderada pelo seu Representante Regional, composta por especialistas em diferentes áreas temáticas, para realizar um trabalho conjunto com os parceiros nacionais.

Na reunião, que vai decorrer no Parlamento, serão debatidas, entre outras questões, as ameaças do crime organizado, o papel do Parlamento e do Governo no combate ao crime organizado e o reforço do Estado de Direito.

Na cerimónia inaugural discursam o Presidente do Parlamento, Cipriano Cassamá, o Representante Regional do UNODC, Pierre Lapaque, e o Representante Especial Adjunto do Secretário-Geral da ONU para a Guiné-Bissau, Marco Carmignani. A abertura do encontro de alto nível, a 24 de Outubro, é também uma oportunidade para comemorar o Dia das Nações Unidas. PNN

Comando Africano?


"Olá, boa tarde,

Desculpa eu estar a meter no seu digno trabalho que é o de informar o nosso povo bissau-guineense. Não respondas a certas pessoas como esse aí...., alêm de ser burro, analfabeto, tem um coração cheio de vingança. Ele tambem não conheceu o pai - que foi morto em Canchungo junto com meu avô, o Joaquim Baticã Ferreira.

Só que o pai dele, o 'Didi' Ferreira, matou um homem, da etnia manjaca, quando este estava numa palmeira, alegando que era 'rebelde'.

Obrigado por tudo,

F. Ferreira"

ÉBOLA: Carlos Lopes, em entrevista à rádio ONU, fala sobre o impacto económico provocado pelo vírus em África


O secretário executivo da Comissão Económica das Nações Unidas para África, ECA, defende a necessidade de uma "contenção muito forte" contra o surto de ébola. Carlos Lopes defende uma proposta radical com uma dimensão económica, conforme revelou à Rádio ONU à margem da Cimeira de Alto Nível sobre o ébola que decorre na sede da organização.

Ele segue para a África Ocidental, em breve, com vista a entender as características do 14º surto da doença no continente. O responsável disse que o ECA tenta perceber o impacto económico e social da maior epidemia de que há registo, e alerta que as "economias vão ser duramente afetadas" nos países atingidos pelo surto.

Acompanhe a entrevista em: http://www.unmultimedia.org

Resumindo: DIRIGENTES AFRICANOS? SÃO GRANDES LADRÕES!


"África, financiadora do planeta

Apesar da pobreza, apesar dos fluxos de ajuda internacional e apesar das previsões da teoria económica, o continente africano é, em termos líquidos, financiador e credor do resto do mundo.

Por: Alexandre Abreu
Fonte: Expresso

À luz do que sabemos sobre a incidência global da pobreza monetária, dificilmente esperaríamos que África estivesse há décadas a financiar o resto do mundo. Em 1990, quase 57% da população da África Subsariana auferia um rendimento (em paridade de poder de compra) inferior a 1,25 dólares por dia. Em 2011, apesar do forte crescimento económico entretanto registado, a incidência da pobreza monetária medida segundo esta linha de referência era ainda de 46,8%. Cerca de 400 milhões de pobres: um terço do total mundial .

À luz do que sabemos sobre a ajuda internacional, também dificilmente esperaríamos que fosse esse o caso. Afinal de contas, a Ajuda Pública ao Desenvolvimento total (bilateral e multilateral) com destino ao continente africano ronda os 55 mil milhões de dólares anuais . E a este montante acrescem as remessas dos emigrantes africanos no exterior, que nos últimos anos ultrapassaram em montante a própria ajuda internacional e ascendem actualmente a cerca de 67 mil milhões de dólares .

À luz do tema frequentemente glosado do perdão da dívida dos países africanos, e das iniciativas que têm sido lançadas nesse sentido geralmente acompanhadas por condicionalidades políticas e económicas de diversos tipos ( como por exemplo a iniciativa HIPC, que abrange principalmente países africanos ), esperaríamos com certeza que o continente africano fosse um devedor líquido do resto do mundo, não um credor.

E à luz da teoria económica ortodoxa mais simples, que postula que a produtividade marginal dos factores de produção é proporcional à sua escassez, pelo que a rendibilidade do capital deverá ser mais elevada onde este for mais escasso, esperaríamos assistir a fluxos de capital predominantemente em direcção aos países menos desenvolvidos, em busca dessa elevada rendibilidade - e não o contrário.

Pois apesar de tudo isto, é o contrário que se verifica - e há já várias décadas. Segundo um relatório do ano passado do Banco Africano de Desenvolvimento e da Global Financial Integrity , o saldo líquido acumulado dos fluxos de capital envolvendo o continente africano entre 1980 e 2009 foi qualquer coisa como -1,4 biliões de dólares em termos ajustados à inflação, o que significa que a soma dos fluxos em direcção ao exterior ultrapassou nesse montante o total dos fluxos em direcção ao continente (incluindo a ajuda internacional, o investimento directo estrangeiro e as remessas dos emigrantes). Trata-se de um valor sensivelmente equivalente a quatro vezes a dívida externa total do continente africano, de onde a conclusão que África é, na verdade, credora líquida do resto do mundo.

Esta transferência líquida de recursos assenta num conjunto de fluxos lícitos e ilícitos, que incluem a transferência de rendimentos obtidos através de corrupção, evasão fiscal e actividades criminosas, mas também a transferência lícita ou ilícita de rendimentos de actividades legais. E os principais actores neste processo nem sequer são os ditadores e presidentes corruptos, mas sim as empresas multinacionais responsáveis por cerca de 60% desta sangria através de transferências de recursos e mecanismos contabilísticos diversos .

Com a frequente cumplicidade das elites e contra a vasta maioria da população, são largos milhares de milhões de dólares encaminhados para paraísos fiscais e outros destinos fora do continente. Milhares de milhões de dólares gerados em África mas em geral não tributados - e indisponíveis para financiar o investimento, a criação de emprego ou a criação de infraestruturas sociais no continente.

Esta é uma questão essencial para entender os aparentes paradoxos do impacto, ou falta dele, da ajuda internacional. É também mais uma prova de que o mundo não é plano, e que os postulados elegantes da teoria dominante e os discursos encantatórias dos entusiastas da globalização são incapazes de explicar as dinâmicas realmente existentes da economia global. E é mais um bom motivo para que defendamos um mundo substancialmente mais desglobalizado, sem paraísos fiscais e com fluxos de capital fortemente regulados, em que a economia esteja ao serviço das pessoas e não as pessoas ao serviço dos lucros."

quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

EXCLUSIVE DC REPORT/ROYAL MAIL SERVICE (EXPRESS SERVICE): Segurança di Inglaterra: Continua que sabe tããããão bem. Semi-analfabeto di merda. Toma lá disto - e em bom inglês (ah, e sem erros...):




Ah, e fiz questão de traduzir para o português. Just in case.

Adiante. Eu, António Aly Silva, tenho de ir mais fundo: eu não falo, nem nunca vou falar, com filhos de assassinos, de gente que esteve do lado errado de uma guerra injusta, e que matou, estripou, violentou dezenas, talvez centenas de COMPATRIOTAS NOSSOS, homens, mulheres e crianças - conhecemos todos as 'façanhas' de alguns ex-comandos africanos na guerra colonial...se conhecemos!!!

Depois da independência, muitos deles continuaram a viver na Guiné-Bissau, sem nenhum problema, não foram sequer arranhados. Uns trabalharam até na SEGURANÇA DO ESTADO, outros escolheram Portugal, por quem lutaram e de quem esperavam o maior dos reconhecimentos...mas isso é outra história.

Quanto aos que foram fuzilados logo a seguir à independência, no meu modesto entender, foram bem fuzilados, porque fuzilaram outros... e foram denunciados! Simples. E, como bem disse o 'barão vermelho' Manfred von Richthofen, "um homícidio, mesmo em tempo de guerra, não deixa de o ser." Ou seja, portaram-se todos mal e cada um teve o fim que merecia! Um tiro, e foi o fim de tudo.

Moral da hostória: Quem sobreviveu a essa guerra estúpida que durou onze anos e acabou da maneira que todos sabemos - ou seja sem vencedores nem vencidos, ainda que nos tentassem convencer do contrário, no meu caso sem qualquer efeito - está quase morto; já quanto a quem morreu...passará o resto da sua morte bem morto, e é assim que tinha de ser. Azar. E, não, não lamento nada do que aqui escrevi.

P.D.: Si bu tira um foto djuntu ku bu papé la nundé ki sta nel, i bu publikal SIN ERROS...ami nta tira tan ku MINDJOR CHEFI DI GOVERNO DI HISTÓRIA DI GUINÉ-BISSAU, pa rapika na ditadura. Fidju di assassino, na nha manera di odja, ka pudi tene moral di pidi djustiça. AAS

Alfândega aperta o cerco

As Alfândegas da Guiné-Bissau estão a obrigar todos os camiões que entram no país a descarregar a mercadoria em armazéns na presença de fiscais, disse esta quarta-feira à Lusa um responsável da instituição.

O objetivo é que todos os produtos importados paguem as taxas fixadas por lei, explicou Wilson Barbosa, diretor dos serviços das Alfândegas de Bissau. Lusa

ÉBOLA: EUA alertam que "Guiné-Bissau é um País de risco"


Os Estados Unidos da América estão "preocupados" com o risco de entrada do vírus Ébola na Guiné-Bissau, disse hoje um especialista em epidemiologia.

Alexandre Macedo, brasileiro de nascença, mas com nacionalidade norte-americana, está em Bissau a convite da Organização Mundial da Saúde (OMS), na qualidade de quadro do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos EUA e tem como missão analisar com as autoridades sanitárias guineenses as medidas de prevenção de infeções pelo Ébola.

Macedo tem mantido uma série de reuniões com as autoridades sanitárias em Bissau e hoje explicou aos jornalistas que os EUA consideram a Guiné-Bissau um país de risco. Lusa

GUINEENSE desaparecido em Casamança


Um cidadão guineense é dado como desaparecido em Casamança desde o dia 15 de setembro ultimo. Segundo as fontes do jornal senegalês "Le observateur" na sua edição de hoje, dia 22 de outubro sob o n°3325, o referido cidadão que da pelo nome de Augusto Joas (ndr: João ?) Carlos Badji, funcionario do Ministério das Finanças em Bissau, tinha deixado o seu pais natal tendo como destino a capital senegalesa, Dakar.

Depois dessa data, ele não deu quaisquer sinais de vida. O caso do desaparecimento desse cidadão guineense em terras da Casamança, faz parte do conteudo de uma carta que o Governo guineense, através do seu Ministro das Finanças, tornou publico ontem. Nascido em 1966, Augusto Joas Carlos Badji é funcionario do Ministério das Finanças da Guiné-Bissau.

Segundo fontes dignas de fé, "ele deixou o seu pais tendo como destino a capital senegalesa a fin de assistir a sua esposa que devia submeter-se a uma intervenção cirurgica num hospital de Dakar". Nossas fontes acrescentam que "Augusto tinha depositado um pedido de autorização de ausência de 20 dias no seu local de trabalho.

Foi na fronteira gambiana, apos a aldeia de Séléty, que o transporte de passageiros no qual o cidadão guineense estava embarcado com outros demais passageiros, foi intercetado por homens armados que os conduziram todos para a floresta.

Depois desse acto, buscas intensas se multiplicaram para os encontrar, mas apesar de todo o esforço e das diligencias encetadas pelas autoridades guineenses para obtenção de informações sobre o seu paradeiro, Augusto J. C. Badji encontra-se desaparecido até a presente data sem dar quaisquer sinais de vida. Os seus colegas accionaram as organizações da sociedade civil na região da Casamança a fim de que o cidadão guineense possa ser localizado o mais rapidamente possivel.

Rapto ou sequestro? Augusto J. C. Badji, tera mudado de destino em ultimo instante para desaparecer assim mesteriosamente ? Muitas questões que fazem a delicia dos propagadores de novas.
Fonte: "Le observateur", dia 22 octobre, n°3325

LGDH


Liga Guineense dos Direitos Humanos
Nota informativa

No quadro da sua missão de monitorização e protecção dos direitos humanos na Guiné-Bissau, a Liga Guineense dos Direitos Humanos vem, em nome das famílias das vítimas das buscas e revistas ilegais por parte das forças de segurança, convidar o vosso órgão de comunicação social para assistir e dar a cobertura jornalística a conferência de imprensa que terá lugar amanhã dia 23 de Outubro (Quinta-feira) pelas 10 Horas, na Casa dos Direitos, visando tornar público os desmandos que a polícia de Ordem Publica e Guarda Nacional vêm cometendo na região de Cacheu, na operação de recuperação de gados supostamente roubados.

Ciente do compromisso e colaboração deste órgão na promoção e protecção dos direitos humanos, a L.G.D.H. agradece antecipadamente a vossa honrosa presença.

Bissau, 22 de Outubro 2014

A Direcção Nacional

Responde o Cônsul


"Estimado António Aly Silva
Ilustre editor do blogue
Ditadura do Consenso

O Cônsul Honorário da Republica da Guine Bissau saúda o estimado amigo e família e informa haver alguma confusão acerca da publicação difamatória, com o titulo "caso de policia?" acerca da minha pessoa. Julgo que o estimado amigo foi vitima de uma informação errada de quem não gosta da Republica da Guiné Bissau e até de ela própria.

Conheço há muitos anos o Dr. Pavão. É o Cônsul Honorário da Republica da Guiné Bissau, no Porto. Já fizemos iniciativas juntos em prole da Guiné Bissau. Eu, Joaquim Luís de Almeida e Sousa sou o Cônsul Honorário da Republica da Guiné Bissau, em Espinho, distrito de Aveiro há mais de sete anos e para que o estimado amigo não fique com duvidas, remeto em anexo a Carta Patente,



E mais o informo que nunca ganhei um tostão que seja por esta missão diplomática que desempenho com muito carinho e respeito pelo povo guineense, antes pelo contrário e como conhece bem o nosso país, tenho gasto algum dinheiro, muitas vezes para limpar imagens menos próprias, que como você sabe é fácil de estas acontecerem.

O facto de no Linkedin ter Porto e região, Portugal é porque esta rede profissional anexa à região do Porto a cidade de Espinho que dista 22 Km.

O Sr. Pavão, como V. Exª escreve é o Dr. Manuel Pavão, médico pediatra que tem tratado muitos guineenses da região Norte de graça. É um grande amigo da Guiné Bissau e muitos guineenses também o sabem.

Aconselho ao estimado consultar o Caderno do Corpo Diplomático creditado em Portugal (MNE), página 269, consta o meu nome e a cidade em que sou Cônsul. Peço que o estimado amigo analise o que está a fazer, que a meu ver não passa de uma brincadeira à qual você está alheio. O seu blogue é um dos que eu leio todos os dias e sei o sofrimento que já passou e outros guineenses, que foi objecto da minha pessoa de algumas intervenções para que tal não voltasse a acontecer.

Agradecia que retirasse estas observações menos próprias a pessoas que muito dão à Republica da Guiné Bissau.

Saudações diplomáticas

Com os protestos de elevada estima e consideração

Consulado da Republica da Guiné Bissau

Joaquim Luís de Almeida e Sousa
Cônsul Honorário da Republica da Guiné-Bissau
Espinho - Distrito de Aveiro"


MINHA RESPOSTA:

Sr. Joaquim Luis de Almeida e Sousa

Obrigado pelo seu email, mas algo não bate certo. Que eu saiba, o Sr., exerce a sua qualidade de Cônsul Honorário da República da Guiné-Bissau, na rua 5 de outubro, no Porto, que pertence ao Grupo Desportivo do Banco Santander. Mais. Espinho não é Porto mas sim Aveiro... Gostaria de saber a direção do consulado, em Espinho, e o número de telefone fixo do mesmo. Cumprimentos,

António Aly Silva

ÉBOLA: Especialista dos EUA avalia medidas de prevenção


Um especialista do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, Alexandre Macedo, está em Bissau para avaliar as medidas de prevenção do Ébola, disse à agência Lusa fonte governamental.

De acordo com o médico epidemiologista, o objetivo da deslocação passa por preparar a Guiné-Bissau para o eventual surgimento de um caso suspeito de Ébola.

SONDAGEM: Vote na Cristina Duarte para a presidência do BAD




Vote AQUI

terça-feira, 21 de Outubro de 2014

Memória e Amnésia


"Guiné-Bissau tornou-se num projecto dos deuses atraiçoado pelos seus próprios filhos. 40 anos de independência, quarenta e um de (des)ilusão! Entretanto, nas ruas, cruzam-se diária e alegremente um povo exuberante e tristemente feliz e os Homens que arruinaram o seu país - mais felizes do que nunca. Estranho, e sem piada nenhuma." António Aly Silva

CASO DE POLÍCIA?




Joaquim Luis Almeida e Sousa, apregoa, no LINKEDIN, que é o Cônsul Honorário da Guiné-Bissau no Porto, Portugal. Que se saiba, o cônsul é o Sr. Pavão. Das autoridades da Guiné-Bissau, ou seja, do ministério dos Negócios Estrangeiros, aguardam-se esclarecimentos, tais como: quem o nomeou, quando foi nomeado e porquê - ou a troco de quê. Andam a fazer negócios e a ganhar dinheiro, muito dinheiro mesmo com o nome do Estado da Guiné-Bissau. AAS

Guiné-Bissau: Empresários dos PALOP vão debater negócios e oportunidade


O ambiente de negócios, tendências e oportunidades na Guiné-Bissau vão estar em foco numa conferência sobre "Parcerias Público-Privadas para a Competitividade" a realizar nos dias 29 e 30 de Outubro em Bissau, anunciou hoje (terça-feira) a organização, citada pela Lusa.

A conferência é promovida pela Confederação Empresarial dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (CE-PALOP) e decorre à margem da sessão extraordinária do Conselho de Ministros da CPLP, que decorre em simultâneo na capital guineense.

"A conferência de Bissau será a primeira de um ciclo que percorrerá anualmente os países membros da CE-PALOP", refere a organização em comunicado. A Guiné-Bissau realizou este ano eleições que puseram fim a um período de transição política iniciado com um golpe de Estado em abril de 2012.

Os novos órgãos de soberania reataram as relações com o exterior e preparam agora vários documentos de planificação, alguns dos quais vão estar em análise na conferência. E entre eles, destaque para os instrumentos "Para um Plano Estratégico para a Guiné-Bissau", assim como "Uma estratégia de competitividade" para o país.

No segundo dia haverá apresentações sectoriais dedicadas às áreas das infraestruturas, energia, turismo, transportes, comunicações, agricultura, pescas, minérios e materiais de construção.

Está prevista a participação de Domingos Simões Pereira, primeiro-ministro guineense, Geraldo Martins, ministro da Economia e Finanças, Paulo Gomes, ex-candidato presidencial e consultor do governo e também de José Brito, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde.

O líder da CE-PALOP, Francisco Viana, foi recebido em Agosto pelo presidente da Guine-Bissau, José Mário Vaz. Na altura, Viana apontou como objectivo da confederação fazer da Guiné-Bissau "uma plataforma" de negócios dos restantes países lusófonos para a CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da Africa Ocidental) com "projetos concretos".

Viana apontou a capacitação de quadros e os projectos de infraestruturação na Guiné-Bissau, nomeadamente a construção de estradas e pontes, como alicerces para a ambicionada plataforma de negócios.

"Se estivermos a falar numa perspectiva regional, os primeiros projectos seriam as infraestruturas. Há que avançar com estradas, pontes, e sem dúvida nenhuma, com a capacitação das associações empresariais e dos próprios empresários", notou Francisco Viana. Lusa

O ex-primeiro-ministro, Carlos Gomes Jr., NÃO foi acometido pela trombose coisa nenhuma: eu mesmo vi-o na semana passada...a CONDUZIR e depois a andar com os seus pés - não treme, não tem nenhuma parte do corpo (membros inferiores, posteriores ou outro), afectado. AAS

Dignidade para a nossa diplomacia



Fotos: DR/AAS

A residência oficial do embaixador da Guiné-Bissau, no Restelo, em Lisboa não era propriamente um exemplo de dignidade que tal cargo merece, mas há boas novas: está em obras, numa remodelação profunda, a cargo de uma empresa de construção civil do Norte. Um bem haja ao Governo de Domingos Simões Pereira pela singular justiça.

Uma das dores de cabeça da construtora, agora, é que 'vivem' nessa residência - que não tem luz nem água e menos ainda telefone - pessoas, talvez doentes (?!) que vieram para tratamento...Agora, NÃO querem abandoná-la, o que pode atrasar as obras!

Eu mesmo estive nessa residência hoje, e pude constatar: enquanto decorriam as obras, com movimentação de pessoal...cozinhava-se numa divisão da casa, transformada em 'cozinha'. Alguém que possa tomar as medidas necessárias - e urgentes - ao desimpedimento do espaço? AAS

segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

DSP visita três regiões para auscultar população


O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Domingos Simões Pereira, visita, até quarta-feira, três zonas do país numa iniciativa intitulada "Governo Presente 2014", anunciou fonte governamental.

O objetivo passa por estabelecer "um contacto direto com as populações e com a realidade das regiões", refere um comunicado do Ministério da Comunicação Social. Lusa

CORRUPÇÃO: Criada associação para combater "fenómeno"


Um grupo de juristas guineenses vai dinamizar uma Associação Anticorrupção para lutar contra o fenómeno que dizem ser "visível e vulgar" no país, mas que pretendem combater "de forma enérgica" ao lado das instituições judiciais.

Dinis Cá e Romelo Barai, membros da comissão instaladora da Associação Guineense Anticorrupção, criticaram, em declarações à Lusa, a forma como tem sido atacado o problema. Lusa

OPINIÃO: A nova oportunidade da Guiné-Bissau


Por: Jaime Nogueira Pinto
Fonte: jornal 'SOL'

"Em Abril de 2012, nas vésperas da segunda volta da eleição presidencial que daria vitória certa ao primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior (49% dos votos na primeira), eclodiu na Guiné-Bissau um golpe militar. Carlos Gomes Jr. conseguira melhorar a reputação do país, pagar os salários da função pública, pôr a economia a crescer, reprimir o crime organizado.

Em 2012, eleição de Carlos Gomes Jr. foi interrompida por golpe militar. O pretexto do golpe foi a presença da força militar angolana em Bissau para apoiar a reforma das Forças Armadas e resolver o problema político-institucional do país: a permanente chantagem que alguns militares exerciam sobre o Executivo.

A missão militar angolana desempenhava um papel-chave, assegurando a passagem à disponibilidade dos militares mais velhos, devidamente compensados financeiramente, e o treino e equipamento das novas Forças Armadas da Guiné-Bissau. Mas, regionalmente, alguns interesses quiseram impedir a ‘ingerência angolana’ – por isso inspiraram o golpe. E só a intervenção de vários governos – entre os quais o de Lisboa – garantiu a vida do primeiro-ministro Carlos Gomes Jr., feito prisioneiro pelos golpistas.

Desde então, a Guiné-Bissau ficou refém dos golpistas que improvisaram um governo de transição e designaram Sherifo Nhamadjo, presidente da Assembleia Nacional, para Presidente da República.

Foram necessários paciência, esclarecimento e esforço diplomático para abrir caminho para eleições que devolvessem o país aos representantes do povo. O PAIGC, liderado por Domingos Simões Pereira, ganhou essas eleições em Junho, com maioria absoluta. O seu candidato presidencial, José Mário Vaz, foi também eleito na segunda volta, contra Nuno Nabiam, o favorito de Kumba Yalá, entretanto falecido.

A restauração total da normalidade constitucional deu-se no passado dia 15 de Setembro, com a saída do CEMGFA, general António Indjai, o chefe do golpe de Abril de 2012. Para o substituir, foi escolhido o brigadeiro-general Biaguê Nan Tan, chefe da Casa Militar do Presidente.

Estão agora reunidas as condições políticas internas e externas para a recuperação económico-social da Guiné-Bissau.

O país estava a crescer a ritmo de dois dígitos nos dois anos que precederam o golpe de Abril de 2012 e tem uma economia viável. Tem uma boa base agrícola – o melhor caju do mundo, condições para a produção de arroz e de frutas tropicais – e águas ricas em peixe.

Tem madeiras preciosas, é rico em bauxite e terá, provavelmente, reservas de hidrocarbonetos. Projectos infra-estruturais de fundo, como o porto de Buba, podem mudar a economia do país e da região. Uma boa conjuntura para que, com o apoio prometido das instituições internacionais e regionais, o investimento português faça a diferença."

João Bernardo Vieira participa em conferência sobre o novo papel dos transportes e logística no quadro lusófono


FONTE: http://www.sol.pt/noticia/116998/O-novo-papel-dos-transportes-e-logistica-no-quadro-lusofono



O secretário de Estado dos transportes, João Bernardo Vieira, participou hoje numa conferência Internacional em Cascais em representação do Primeiro Ministro, onde se debruçou sobre os Sistemas Inteligentes aplicados a Logistica e Transporte.

Na Conferência esteve o embaixador de Angola, o Presidente da Câmara de Cascais, o representante da Ministra das Infraestruturas de Cabo Verde, e Luis Filipe Pereira (ex-Ministro no Governo de Durão Barroso) que era o Presidente da Conferência.

Foi uma oportunidade para trocar impressões e para manifestar a total disponibilidade da Guiné-Bissau para o desenvolvimento de alguns dos projectos-pilotos no dominio dos Sistems Inteligentes de Logistica e Transportes. Nós ja demos alguns passos nomeadamente a digitalização das cartas de condução bem como a certificação eletronica de embarque (CEE) de cargas transportadas por via maritima.

"Má conduta" na embaixada da Guiné-Bissau em Lisboa, acusa o secretário de Estado da Cooperação Internacional e Comunidades



Idelfrides Fernandes esteve há pouco tempo em Lisboa. As acusações que faz terão que ter consequências

O secretário de Estado da Cooperação Internacional e das Comunidades denunciou que algumas pessoas ligadas à Embaixada da Guiné-Bissau em Portugal recebem dinheiro para a marcação de consultas. Falando à margem do encerramento da conferência sobre saúde no país, Idelfrides Fernandes afirmou que ninguém deve viver à conta da saúde das pessoas.

«Não podemos viver à sombra da saúde das pessoas. Receber 100 ou 200 euros para marcar as consultas é grave, não podemos admitir que isso volte a acontecer. Seja quem for», desafiou o responsável, afirmando que durante a sua estadia em Lisboa recebeu muitas queixas por parte dos pacientes guineenses. Idelfrides Fernandes afirmou que é preciso apurar responsabilidades. PNN

Foi neste sentido que o Chefe do Governo guineense, Domingos Simões Pereira, afirmou que é preciso criar um contrato social para os quadros de saúde, por forma a escolher «os bons» e dar-lhes prioridade.

«Nós precisamos de um novo contrato social e é importante que os profissionais de saúde se mobilizem para estar do lado só deste contrato. Se formos capazes de estabelecer um compromisso, todos vamos trabalhar no sentido de que esse contrato social possa resultar nos objectivos que estão preconizados» disse o Chefe de Governo guineense.

«Não podemos ser bons só quando atravessamos a fronteira. Se isso acontece é porque algo está mal. Então, vamos trabalhar juntos, vamos ultrapassar preconceitos, vamos ser capazes de admitir onde há falhas, vamos ser capazes de escolher os bons e priorizar esses bons» desafiou Domingos Simões Pereira. PNN

Adriano Ferreira 'Atchutchi' é o novo presidente da Câmara Municipal de Bissau. AAS



O maior compositor da nossa história, tem agora a capital a seus pés. Bissau vai ser uma orquestra. Boa sorte! AAS